Quinta-Feira, 18 de Fevereiro de 2016
Edições Anteriores    |    Twitter     
img
Luiz Augusto Pampinha
Lendo, vendo e ouvindo


Teste sobre racismo

Em Goiânia colocaram um branco dentro de um carro e ele buzinou por dois minutos sem ser molestado.

Trocaram o branco por um negro e ele, nas primeiras buzinadas levantou o ódio da vizinhança que chamou a polícia pedindo providência.

Depois da Copa, a Arena Mané Garrincha, de Brasília, que custou R$ 1 bilhão e 400 milhões, será entregue aos clubes locais, que disputam as Séries C e D, do Brasileirão.

O cara, psicopata, matou a namorada de 14 anos com um tiro na cabeça. Filmou tudo e postou na internet. Goiás está assustador!

A torcida do Corinthians levantou uma faixa contra o racismo, mas passou o jogo todo contra o São Paulo chamando o goleiro Rogério Ceni de bicha.

É impressionante a quantidade de brasilienses que se acham melhores do que Brasília.

“Esnobar é pedir café quente e deixar esfriar” (Millôr Fernandes)

Uma vez perguntaram ao escritor, teatrólogo e jornalista Nelson Rodrigues, o conselho que ele daria aos mais novos: -”Leiam bastante e envelheçam!”

Levanta a mão quem já viu: ex-gay, cabeça de bacalhau, enterro de anão, PMDB fora do governo e ouras coisas que jamais veremos”.

Novo dicionário de sinônimo: UFC= Selvageria transformada em diversão para adultos.

Numa escala de zero a dez, no índice de imbecilidade, essa turma que emporcalha o visual de Goiânia, pichando suas paredes, muros e monumentos conseguiu 11 pontos.

A ciência dará um salto gigantesco em 2014 se conseguir criar um aparelho capaz de medir o ego dos jornalistas, principalmente os da televisão.

Não é só em Brasília e Goiás que o futebol está sendo disputado com os estádios vazios. O Flamengo, dono da maior torcida brasileira, foi jogar em Volta Redonda e só 450 pagaram para ver o jogo.

Não se assustem! Como diz a canção: São as águas de março fechando o verão.